AMBIENTE PRIVADO:

Práticas do SGI – Sistema de Gestão Integrado

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI

O Pitágoras deu seus primeiros passos no desenvolvimento de um sistema de gestão em 1991, o qual chamávamos de GQTE — Gestão da Qualidade Total na Escola. Esse modelo funcionava bem com processos administrativos, mas era pouco eficaz no “chão da sala de aula”. Começamos, por isso, a buscar um benchmark de sistema de gestão que também contemplasse a aprendizagem.

Por meio de uma parceria com o Juran Institute, nos Estados Unidos, soubemos da experiência do distrito escolar de Pinellas (Pinellas County Schools), de Clearwater, Flórida, na implantação de um sistema de gestão calcado nos critérios de excelência do Prêmio Baldrige americano.

Contratamos a consultoria da Quality Academy do distrito escolar de Pinellas, e, de 1994 a 2000, visitamos inúmeras escolas, enquanto, simultaneamente, fazíamos a customização da metodologia para a nossa realidade. O principal esforço foi conduzido pela Fundação Pitágoras principalmente com o desenvolvimento de materiais, já que o Pinellas não dispunha de materiais manualizados.

Em 2000, fica pronto o primeiro manual do SGI e inicia-se sua implantação no primeiro município brasileiro.

O SGI é um sistema de gestão para uso preferencialmente em redes públicas de ensino. Sua aplicação potencializa e alinha os esforços do aluno e do pessoal que trabalha na Secretaria de Educação, escolas e classes da rede, com foco na aprendizagem e na melhoria e inovação dos processos e práticas de gestão.

Com mais de 18 anos de atuação, na implantação do SGI – Sistema de Gestão Integrado, a Fundação Pitágoras já capacitou cerca de 29 mil educadores, beneficiando quase 1 milhão de alunos, em mais de 12 estados do Brasil, comprovando sua eficiência por meio da melhoria substancial dos índices oficiais de aprendizagem, nos municípios em que atua.
sgi.png

DIFERENCIAIS DOS PROJETOS SGI

• Programas de capacitação em gestão desenvolvidos para atender preferencialmente à realidade das redes públicas de ensino.

• Mais de 18 anos de experiência na implantação dos programas de gestão.

• Encontros mensais com intervalos para aplicação da teoria na prática – Aprender fazendo (“mão na massa”).

• Facilitadores que fazem a transferência da metodologia falam na primeira pessoa sobre o SGI, porque também o implantaram no sistema Secretaria, Escola ou Classe.

• Ênfase para troca de experiência e melhores práticas (Aprendizagem Cooperativa).

• Visita mensal a duas escolas para verificação, no local, das práticas de gestão. Os visitantes deixam contribuições para a escola.

• Suporte remoto do facilitador aos participantes, durante todo o período de implantação.

• Alinhamento e integração entre Secretaria de Educação – Escola – Classe – Aluno.
 
• Uso de métodos que promovem o melhoramento contínuo.

• Trabalho respaldado por coleção de material impresso, desenvolvido especificamente para essa finalidade.

• Identificação de “melhores práticas” dentro e fora do setor educacional (não reinventar a roda, mas conhecê-la melhor e usá-la).

• Rápida melhoria dos resultados das metas operacionais e de aprendizagem.

• Relato das atividades da agenda de campo e apresentação de resultados e lições aprendidas.

• Relatórios mensais de acompanhamento elaborados pela Fundação, permitindo justes e correção de rumos.

• Certificação de Pós-Graduação em Gestão Escolar pela Faculdade Pitágoras.

RESULTADOS

alcance.svg
alcance2.svg
Aliança Brasileira pela Educação | Uma iniciativa: Kroton e Fundação Pitágoras