Dicas valiosas para lidar com o bullying e cyberbullying

MÃO NA MASSA!

Dicas valiosas para lidar com o bullying e cyberbullying

Separamos para você, que participou presencialmente, ou acompanhou ao vivo a nossa transmissão do Fórum Nacional de Diretores de Campo Grande/MS e tem interesse em expandir o conhecimento, algumas ideias para apoiá-los na tratativa do tema central do nosso Fórum, “Bullying e CyberBullying”.

Compartilharemos referências de leitura, vídeos inspiradores, material em PDF para baixar, sugestões práticas e informações esclarecedoras para famílias, educadores e estudantes, que podem fazer a diferença na prevenção e combate ao “Bullying e CyberBullying”.

Escolha o que fizer mais sentido, de acordo com a sua necessidade e mão na massa!
Como a família pode “blindar” um pré-adolescente do bullying?
Infelizmente, é impossível evitar uma agressão, mas há algumas ações que podem ajudar o pré-adolescente a desenvolver habilidades para que tente se proteger quando necessário e pedir ajuda quando não der conta:
  1. Explique claramente o que é bullying e como os agressores agem. Dê exemplos variados para que eles sejam capazes de identificar uma agressão.
  2. Reforce sempre a autoestima do seu filho: elogie as qualidades, enalteça os pontos positivos que ele tem e relembre que as pessoas são diferentes. Assim ele se sentirá menos vulnerável.
  3. Mantenha um diálogo aberto para que ele se sinta seguro e confiante caso precise te contar que está sendo vítima de algum tipo de agressão.
  4. Controle os comentários negativos que faz sobre outras pessoas na frente do seu filho. Pré-adolescentes ainda não tem filtro e por mais que não saiam por aí repetindo o que ouviram, como crianças pequenas, vão entendendo que agir dessa forma é correto e podem começar a fazer o mesmo com os colegas ou a aceitar as agressões achando que são normais.
  5. Ensine o seu filho a impor a opinião dele quando necessário. Frases como “pare com isso porque eu não estou gostando” ou “não coloque suas mãos em mim” devem ser ditas para que o agressor não tenha nenhuma dúvida de que está agindo mal. Mas se ele não conseguir falar essas palavras, também não deve se sentir culpado por isso. Como vítima, ele não pode ser responsabilizado por um bullying que sofreu.
  6. Mostre a ele que pode reagir a um bullying tentando ignorar (tática que requer sangue frio, mas que costuma fazer com que o agressor desista) ou dizendo as frases citadas anteriormente, mas que não deve partir para revidar a agressão. Caso esteja a ponto de começar um contra-ataque, o ideal é que procure o adulto, seja os pais ou os professores. Ressalte que esse pedido de ajuda não é um motivo para vergonha.
  7. Se o seu filho estiver sendo vítima de agressores, oriente-o a evitar locais vazios, longe de amigos que o protejam. Se ele se sentar no primeiro banco do transporte escolar, por exemplo, será mais difícil sofrer um ataque do que se sentar no último, distante dos adultos responsáveis.
  8. Quanto ao cyberbulling, novos estudos mostram que jovem cujo os pais não colocam regras sobre quanto tempo por dia eles podem passar on-line e quais atividades são permitidas, tem o dobro de chance de serem vítimas das agressões virtuais e de colocar em risco a sua própria segurança: 78% dos que não tem regras a seguir compartilharam o endereço de e-mail, 83% forneceram o número do telefone e 88% deram o nome completo para estranhos ou site não-seguro. Tornaram assim, presas mais fáceis. Ensine o seu filho a comportar digitalmente para prevenir ataques ou crimes virtuais.
  9. Os pais devem estar atentos ao tipo de relacionamento que os filhos estabelecem, se existe algum colega que sempre é referido como possuindo alguma característica negativa ou que merece ser vítima de agressões. Diante da identificação (de um filho agressor), os pais devem esclarecer a importância de pensamentos em termos de tolerância e respeito às diferenças, além de estimularem estratégias de resoluções de conflitos mais propositivas e não pelo uso da violência.
Fonte: Pré-Adolescente: Um Guia para entender o seu filho, da autora Daniela Tófoli.
Fonte: Pré-Adolescente: Um Guia para entender o seu filho, da autora Daniela Tófoli.
Como a escola pode “virar o jogo” do bullying?
SESSÃO PIPOCA: Filmes que inspiram, sensibilizam e nos fazem refletir.
BIBLIOTECA: Anexo materiais para download (PDF)

Vídeo apresentado sobre “Bullying e CyberBullying”

Aliança Brasileira pela Educação | Parceiros

Assine e não perca nenhuma notícia ou evento. Nós não enviamos spam!